quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Jatos de energia retilíneos

1
Você não pode me alcançar
Na espiral da elipse curta do abismo material,
Na textura da anti-gênese dos chips infecciosos,
Ou coisa parecida.

2
Queimem, edifiquem, impermeabilizem,
Vomitem, explodam seus estômagos,
Dilacerem seus cus
Fodam-se todos.
Eu fico aqui, no alto da laje.
Contando as horas e ouvindo rock e blues.

3
Um estouro em compasso binário,
Um caderno e meia dúzia de santos no fundo do armário

4
Sempre aos domingos, sempre nas planíces concretadas e cinzentas,
Um herói subterrâneo voa com sua capa asfáltica,
Sua tez/casca de teflon, onde a gordura das lixeiras e dos animais em decomposição não gruda.

5
Termino dizendo SIM
Como a escada da Yoko
Enterrada no jardim.

3 comentários:

Pedro disse...

Tá maneiro, tô gostando. A leitura do R.Piva tá dando frutos em rapaz. Muito bom. Contínue retílineamente energético. Abracos. Pedro

Pedro disse...

Puta que o pariu, escrever bilhetes de maneira apressada só dá dor de cabeca e vergonha. A leitura do R. Piva tá dando frutos, né ? Mas pensando bem, "dar frutos em rapaz" é coisa bem à moda do R.Piva, que adora banana da terra.

Sérgio disse...

Panaca!
Saudades docê!