sábado, 29 de janeiro de 2011

Minha 59ª fratura



Teve aquela vez em que minha raiva foi vencida pela fidelidade de alguém
Quando os ossos do sol desabaram na minha cabeça doeu menos
Teve uma tijolada na têmpora
E cacos de vidro na uretra
Cada vez que optei por não escolher foi uma
No fim da noite algo começou a dilacerar a carne
Pela manhã estava exposta
Vou esfregar sal grosso e aplicar um larvicida
Para continuar procurando pássaros da janela do meu quarto

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

...y seguindo la canción



No final de 2010, o velho papa do punk brega colocou mais esse trabalho na praça. “Caminando y Cantando” é o sexto álbum de estúdio de Wander Wildner. O release diz que o álbum é inspirado na sua recente andança por Buenos Aires, Montevideo e Berlin.
Na Alemanha, aliás, Wander teve a felicidade de cruzar o caminho do meu little brother Pedro que, para variar, deu uma de Pedro com ele ao chegar pro cara antes de um show numa livraria berlinense e dizer “achei sua música nova meio bobinha”. Como se não bastasse, o Pedro sentou bem na frente do palco e ficou gritando coisas como “O sol se foi”, “Fumá um paião”, frases que o Wander fala na gravação de “Albert Einstein”, do CD “Buenos Dias”. Acho que nem as cerca de dez pessoas presentes no show e nem o artista entenderam nada. Depois o Pedro ainda ficou chateado porque ele não tocou “Albert Einstein”.
Conhecendo my little brother de longa data, deve ter sido a cena mais hilária e constrangedora que Berlin viu desde o último fio da terra da Eva Braun em Adolf Hitler. Depois ele se explica nos comentários ou pelo menos conta pra gente o que ele tomou. Ah... pra completar a festa parece que o Pedro levou no show um outro brasileiro exilado em Berlin, um mineiro fã do Clube da Esquina que ficou amaldiçoando a coisa toda... Mais uma das grandes histórias do Pedro. Ele é que devia ter um blog pra nos contar suas incríveis aventuras. Sorry, brother. Eu tinha que contar essa.
Mas voltando ao que interessa, o disco novo do Wander é legal pra caralho. Sou suspeito porque gosto do cara desde os tempos dos Replicantes. Quantas vezes não ouvi “Festa Punk” ou “Sandina” no quartinho dos fundos da casa do Txélos. Nossa bandinha punk, que transtornava os vizinhos lá pelos estertores dos anos 80, tocava “Nicotina”. Até hoje, de vez em quando, peço pro Txélos tocar “Astronauta” quando nos encontramos e há um violão por perto. O Julio Reny também gravou “Astronauta”, mas a versão dos Replicantes é insuperável.
De alguma maneira “Astronauta” já tinha os elementos que formaram o punk brega do Wander Wildner. É uma música que caberia tranquilamente na sua carreira solo. Mas por falar em punk brega, “Caminando y Cantando” tem vários momentos que não se enquadram nesse conceito. Coisas mais folk como “As Coisas Mudam”, composta por Wander e baseada no maravilhoso filme “Pequeno Grande Homem” de Arthur Penn, com o Dustin Hoffman e a Faye Dunaway deslumbrante. É um daqueles westerns tardios, feitos no final dos anos 60 ou início dos 70, que eu gosto pra caralho, como “Butch Cassidy” e “The Wild Bunch”. O filme mostra a batalha de Little Big Horn em que os índios liderados pelo Touro Sentado deram um pau histórico na cavalaria americana, matando inclusive o famoso General Custer. Vejam o filme. É fácil de achar por aí.
“Dani” é uma balada bonita composta por Jimi Joe, parceirão do Wander e figura importante do rock gaúcho. Quando vi o show do Wander no Abril Pro Rock em sei lá que ano, o Jimi Joe estava na guitarra. Wander se apresentou dizendo “Nós somos a banda de Jimi Joe”.
“Boas Notícias” foi composta por Gustavo Kaly, autor de “Um Bom Motivo”, gravada por Wander no seu disco anterior e uma das músicas mais legais do repertório do trovador gaúcho. Ouvi “Bom Motivo” pela primeira vez no show Sub Versões que vi com a Aline em Sampa. Wander tocou no barzinho sozinho com sua guitarra e nós sentamos bem perto do palco. Aliás, não tinha palco. Era um banquinho e microfone. O show foi do caralho. O Xico Sá estava lá com uma alcatéia de mulheres feias. O refrão “Me dê um motivo pra não cheirar cola esta noite” ficou na cabeça por meses. O povinho do trampo achava que eu era louco de cantar isso. “Boas Notícias” também tem um bom refrão e uma parte da música que fala “Aí fudeu, aí fudeu” que eu não consigo parar de cantar para desespero da Aline que teme que nosso filho repita. Ele ainda não repetiu.
Um lance muito presente nesse novo disco são as influências setentistas. Wander gravou dois clássicos da época das “boca de sino”. Duas canções viscerais que eu adoro. Não dá pra comparar com as versões originais, mas achei legal ele gravar porque deve estar apresentando “A Palo Seco”, de Belchior e “Viajei de Trem” do Sérgio Sampaio a um público novo. Nada mais Wander do que cantar “Por força desse destino um tango argentino me vai bem melhor que um blues”. “Clo” é uma setentista do grupo gaúcho Almondegas. Bacana também.
O lado punk brega, cada vez mais brega e menos punk, com direito a “espanhol selvage” e tudo o mais surge em “A Razão do Meu Viver”, “Puertas y Puertos”, “Pra Ti Juana” e “Calles de Buenos Aires”.
Por fim, há uma versão de “Amor e Morte” de Julio Reny. Nada demais com essa versão, mas é sempre uma canção de Julio Reny.
É o velho Wander. Cantando por las carreteras. Sobrevivendo às dores de amores, às noitadas, às viagens, ao Pedro e espalhando cometas e meteoros sonoros para os corações apassionados.
Achei no youtube imagens de um show do Wander numa livraria em Berlin. Será que ouvi a risada do Pedro?

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

sábado, 15 de janeiro de 2011

Forró de janeiro – Guarujá, filmes & Heitor


Não vou escrever sobre a tragédia das chuvas pelo Brasil. Janeirão é sempre foda. Todo ano a mesma coisa. Cancelamos nossos dias de férias no Guarujá porque a cidade passa por um novo surto de diarréia. No ano passado sobrevivemos a um desses surtos passando um dia num hospital entupido de gente com nosso filho, na época com um ano e meio. Não dá pra submeter o moleque a esse risco novamente.
Pensando no Guarujá e nessas porras de enchentes não dá pra não imaginar como serão as coisas daqui há...sei lá... 40 anos. Veja só, 40 anos não é muito tempo. Eu ouço muita música e vejo filmes feitos há quatro décadas ou mais. Eu tenho quase 40 anos. A maioria dos meus amigos também.
Acho que a imagem é batida, mas é inevitável não pensar na humanidade como um câncer tomando um organismo. Mais gente, mais áreas impermeabilizadas, mais construções irregulares. Gente faz metástase. Vai cobrindo todas as áreas possíveis. É terrível. Imagine uma cidade do litoral, totalmente plana. É uma área no nível do mar coberta por tijolos, concreto, ferragens e asfalto. Milhares de pessoas se instalam em cima e seguem produzindo lixo e dejetos até o subsolo estar saturado e regurgitar a merda toda de volta.
Bom, deixando os dejetos todos de lado, os dias de janeiro tem sido mais tranquilos no trabalho. Finalmente consegui ver “Crazy Heart”, com o Jeff Bridges. Gosto desses filmes “pequenos”, baixo orçamento, histórias de gente comum. O filme é simples e bonito. O Robert Duvall é foda, no seu pequeno papel do caipira dono do bar. Que puta ator! As cenas dos bares onde Bad Blake toca atiçaram uma velha vontade. Voltar para os Estados Unidos. Levar a Aline pra conhecer Nova Iorque. Rodar por Memphis, Nashville e quem sabe pelo velho sul. O objetivo é ouvir blues, country, folk, jazz e viajar naquelas estradas míticas. Quem sabe um dia a grana dá...
Vi também “Milk” com o Sean Penn quebrando tudo. Gosto desses filmes com histórias verdadeiras. Acho que peguei isso da minha mãe. Quando víamos filmes na TV em tempos pré-videocassete, lembro dela avisar que ia passar um filme baseado numa história real. Como se isso desse ao filme uma certa distinção. Esses dois filmes serviram para diminuir, apenas um pouquinho, a imensa defasagem cinematográfica em que estamos mergulhados.
Em meio às notícias do fechamento do Belas Artes, consegui ir ao cinema uma vez em janeiro. Fui com my baby ver o argentino “Abutres” lá na Augusta. Gostei bastante do filme. O foda é o Ricardo Darín. É bom ator, mas ta começando a enjoar. O cara é o Wilson Grey da Argentina. Parece que ele está em todos os filmes de lá.
Ataquei a minha modesta “DVDteça” e consegui ver ou rever do finalzinho de 2010 pra cá: “Cães de Aluguel” (Tarantino), “Os Imperdoáveis” (o velho Clint), “Era Uma Vez no Oeste”(Sergio Leone, absolutamente genial), “Bagda Café” (Percy Adlon), “Um Homem, Um Cavalo e Uma Pistola”(Spaghettão B), “Django” (Spaghettão B), “Matá-lo” (Spaghettão B doentio), “Galo de Briga” (Monte Hellman, com Warren Oates), além dos documentários sobre os Ramones (“Ramones Raw”) e Johnny Thunders (“Born to Lose”).
Vi também “Forever” do Walter Hugo Khoury, no Canal Brasil. Gosto dos filmes do Khoury. Aquele ritmo lento, a tensão sexual, os instintos animais em meio ao luxo da alta burguesia paulistana. Sempre me interessa como ele mostra a cidade de São Paulo e os ambientes internos, cheios de sombras. Tem gente que não suporta. Eu sempre acho interessante.
Falando em literatura, passei janeiro relendo “O Corcunda de Notre Dame” do Vitor Hugo. Ainda não terminei. Mas é bom pra caralho. O “Estranhos Sinais de Saturno” do Piva tá sempre na cabeceira para doses de poesia a qualquer hora. Encomendei o livro da Patti Smith e o “Anjos da Desolação”, do Kerouac. Mas antes deles quero ler o “Pedaços de um Caderno Manchado de Vinho” do velho Buk.
Por fim, ficamos sabendo que o mais novo representante da curriola em Londrix vai se chamar Heitor. Boa escolha do casal T & T. Lembrei de um amigo da faculdade de Direito que tinha esse nome. Meus amigos de copo e de cruz eram todos da faculdade de jornalismo. No Direito, tinha alguns caras legais, mas o único que dividia o gosto pelas substancias alteradoras de consciência era esse cara. Que de quebra ainda tocava várias dos Beatles no violão.
Lembro dele passar nos domingos de manhã em casa, com seu fusqueta branco, me buscar pra jogar bola com uma turma de evangélicos que ele conhecia não sei de onde. Íamos os dois fominhas destruídos pela ressaca e eu ainda era o Pelé do jogo. Naquele tempo não tinha virado moda ser evangélico. Tinha uma meia dúzia de pernas de pau, ou bagres, como a gente dizia na Vila Maria. E eu que sempre fui um futebolista nota 5, acabava com o jogo no meio dos perebas de Cristo. De quebra, às vezes ele aparecia lá em casa com seu violão pra mostrar a nova que ele tinha tirado dos Beatles e mandava alguma obscura tipo, sei lá... “Rocky Racoon”. Boas lembranças.
Heitor dos Prazeres é um grande mito do samba carioca. Que o nosso pequeno paranaense viva uma vida de muitos prazeres. O tiozão, que vai ajudar a estragar o moleque, não pode desejar coisa melhor. Em sua homenagem, ouço um Tim Maia clássico aqui.