quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

3h15 – Sonho de uma madrugada de verão

Poemas são corpos estranhos
Expelidos da carne ou da consciência.
Em meus sonho
São como ressucitados.
Posso vê-los saindo das tumbas e ganhando as ruas
Como um enorme estorvo.

Um comentário:

Bel disse...

Incidente no paraíso....